Páginas

terça-feira, 1 de maio de 2012

Passeio pelas praias do oeste carioca - Pedra de Guaratiba, Praia da Brisa e Sepetiba

Ah, o Rio de Janeiro! Cidade maravilhosa, cheia de encantos mil, com a refrescante brisa do mar que reflete em suas belas praias de cor azul-esverdeado...

Será mesmo?


Praia da Brisa, RJ

Não, infelizmente a capital fluminense não é só feita de praias de águas límpidas. O que, aliás, é um conceito questionável: Durante boa parte do ano, até mesmo as praias mais famosas do Rio ficam impróprias para banho.

Mas o caso específico das praias do extremo oeste carioca é um pouco diferente. Suas praias são banhadas por uma Baía, não a de Guanabara, como pode se pensar a primeira vista, mas sim pela Baía de Sepetiba.


Castigada ao longo da história pelo recebimento de efluentes das indústrias que ali se instalaram sem infraestrutura, além de receber o esgoto doméstico sem tratamento de boa parte da populosa zona oeste, o processo de degradação da Baía de Sepetiba vem acentuando-se cada dia mais, e isso acaba se refletindo na qualidade de suas praias, em especial no caso da capital fluminense.

Essa foi uma das minhas primeiras pedaladas de média distância. Realizei essa pequena cicloviagem em Março de 2011, juntamente com meu amigo Pedro. Pedalamos em torno de 50km (ida-e-volta), saindo do bairro de Campo Grande e atravessando o bairro de Santa Cruz até chegar nas praias da Brisa, Pedra de Guaratiba e Sepetiba.


O caminho, quase todo plano, atravessa algumas comunidades carentes da região - algumas  com histórico de tráfico de drogas e violência, portanto, é sempre bom estar atento.

A pavimentação nem sempre é boa. Apesar de parte do caminho nas intermediações da Av. Cesário de Melo contar com uma ciclovia, a partir da estação de trens do bairro de Paciência ela deixa de existir. Optamos por ir em direção à Pedra de Guaratiba pela Estrada Santa Eugênia, um pouco movimentada no início, mas que logo abre espaço para uma bela paisagem rural, repleta de fazendas, lagos e até um cemitério! O acostamento é generoso e há pouco tráfego na via.

Mas como o que é bom dura pouco, logo o trecho acaba e entramos na Estrada da Pedra. Uma pista simples, sem acostamento, e com calçadas de terra. O comércio local é movimentado, carros e ônibus estão sempre presentes. Aos poucos, o caminho vai melhorando (até o clima parece dar uma amenizada!) e pós uma pequena subida, estamos na Pedra de Guaratiba!

Barbudo, famoso bar da região. Em seu interior, fotos dos diversos famosos que ali já estiveram. Tem até foto da Xuxa!

O píer da Pedra de Guaratiba atrai diversos visitantes.
Como o Pedro, que tentava fazer algumas manobras.
Mas logo desistiu.
Minha vez de tentar
Crianças, não repitam isso em casa
Bicicletas descansando com vista para a Restinga do Marambaia, que é bem próxima da Pedra.

Era hora de prosseguir viagem, então partimos da Pedra de Guaratiba rumo a Praia da Brisa, que localiza-se no bairro de Guaratiba. 

Cuidado para não fazer confusão: Há no Rio de Janeiro o bairro de Pedra de Guaratiba, que visitamos anteriormente; o bairro de Barra de Guaratiba, que fica do outro lado da Restinga da Marambaia e é famoso por suas praias desertas; e há ainda o bairro de Guaratiba, o maior bairro em extensão da cidade do Rio de Janeiro. E é lá que localiza-se, com seus 1,5km de extensão, a simpática Praia da Brisa, nosso segundo destino:

 Píer da Praia da Brisa, com vista para o mangue da Área de Proteção Ambiental (APA) das Brisas.
Bicicletas também cansam.
Lama e mar se misturam, é difícil distinguir um do outro
O píer estende-se sobre o mar de lama

Apesar de incipientes no que diz respeito ao banho, tanto a Praia da Brisa quanto a de Pedra de Guaratiba são lugares de um interessante bucolismo e tranquilidade. Passar uma tarde por lá, comendo um peixe enquanto as crianças divertem-se nos parquinhos montados próximo a orla (às vezes, até com areia!) pode ser uma boa pedida.

Saímos então da Praia da Brisa rumo ao nosso terceiro destino do dia: a Praia de Sepetiba.

Detalhe para o alforge improvisado. Tinha uma garrafa de água de 2 litros dentro!

Assim que chegamos em Sepetiba, levamos um susto. A praia, ou pelo menos o que era pra ser a areia da praia, não existia mais. Logo ficamos sabendo que ali estava acontecendo um projeto de revitalização, onde o mangue invasor estava sendo transplantado e em seu lugar, uma manta de geotêxtil estava sendo aplicada, e sobre ela viria uma camada de areia extraída do fundo do mar, reabilitando o que um dia foi uma praia.

Sepetiba em obras.

A obra foi concluída a bem pouco tempo e até que ficou bem razoável, apesar de alguns problemas estruturais. A faixa de areia ficou bem ampla, com espaço suficiente para atividades de lazer e esporte. Em breve pretendemos voltar lá e tirar fotos mais atuais.


Com a Ilha do Tatu ao fundo, bem em frente à praia, nos despedimos de Sepetiba.

É bem verdade que todas essas praias que visitamos podem não ter o glamour e o charme das praias da Zona Sul do Rio, como Copacabana ou Ipanema, mas ainda assim são muito especiais. 

Vale lembrar também que todas elas já tiveram o seu auge. Pedra de Guaratiba era uma vila de pescadores muito requisitada no verão, com um mar perfeitamente banhável e aprazível. O mesmo para Sepetiba, que era comparada com a Praia de Búzios por quem a frequentava até meados dos anos 70 e chegou a ser cenário para a gravação da novela "O Bem Amado", da Rede Globo.

E então, o que fizemos com essas outrora belas praias? Em nome do progresso, diversas empresas instalaram-se e continuam a se instalar nas proximidades da Baía de Sepetiba, poluindo com metais pesados o mar que banha não só essas praias do Rio, como também a de praias de municípios vizinhos, como Itaguaí e Mangaratiba.

Resta saber até quando toleraremos vazamentos de petróleo e e empresas poluidoras em nossos mares. Talvez no dia que Copacabana virar uma mar de lama, Arraial do Cabo perder o azul de sua praia e a Ilha Grande virar de novo uma prisão, aí vamos olhar para trás e ver que poderíamos ter aprendido algo com as praias do oeste carioca.

2 comentários:

  1. oooooooooo, pedalou demais!!

    ResponderExcluir
  2. Legal cara!! Sepetiba me lembra a infancia quando era um ávido leitor e lia uns livro de uma seria na qual a turma de jovens cariocas passavam as férias escolares na casa de parentes nessa região. E eu viajava com eles nas aventuras e na rica descrição que faziam de tossa essa área. Era maravilhoso! NEm recordo mais o nome dos livros...Ahhh . algo como 'A Turma da Rua 7'..vou catar na net algo..Me veio na mente esse titulo!! Espero q ache e vai ser fantástico reler o livro e mais ainda visiyar Sepetiba! Valeu pelo excelente artigo.

    ResponderExcluir

Comente, sugira, critique!