Páginas

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pedalando na Rio-Santos: Mangaratiba

Não importa de que parte do Brasil, quiçá do mundo, você seja: é muito provável que você já tenha ouvido falar das maravilhas de Angra dos Reis e Paraty, cidades paradisíacas de uma região chamada Costa Verde, no Estado do Rio de Janeiro.

No trajeto do Rio capital até esses municípios, um lugar costuma passar desapercebido pelos viajantes motorizados, que não captam a beleza de um lugar no meio do caminho, tão lindo quando os respectivos destinos finais. Felizmente, de bicicleta, podemos aproveitar muito bem a bela e agradável Mangaratiba.


Parar, olhar, escutar. Como, dentro de um carro?

Essa cicloviagem teve um sabor especial, pois foi a primeira em que excedemos (eu e o Pedro) o limite dos 100km de distância. Além do fato de ser a pedalada de inauguração da minha recém adquirida bicicleta dobrável Blitz City, aro 20, um sonho antigo que agora pude realizar.

Saímos bem cedo de casa, pegando o rotineiro trecho da ciclovia de 15km que liga os bairros cariocas de Campo Grande ao de Santa Cruz. Entrando no município de Itaguaí, encaramos a Rio-Santos, aproveitando desde já para passear pelos distritos de Coroa Grande e Vila Geny, onde surgem as primeiras praias do trajeto.


Preciso deixar claro desde já: Não torço pelo Fluminense! Acontece que a camisa chama a atenção pela cor, o que é essencial quando se está na estrada pedalando. Os motoristas precisam te enxergar de longe! Já o Pedro, bom, esse é tricolor fanático mesmo.

Esclarecimentos feitos, vamos em frente. Eu e Pedro (único amigo até agora a topar essas pedaladas) seguimos pela Rio-Santos, e quase chegando na divisa de Mangaratiba, passamos rapidamente pelo que um dia foi a Cidade Albanoel, um parque temático infantil atualmente desativado. 

O aspecto da construção é meio desolador, veja por si mesmo:




Ao longo do parque, destruição e abandono. Uma pena, pois o espaço é amplo e bem localizado, poderia ser revitalizado pela Prefeitura de Itaguaí para algum uso sociocultural.

Poucos quilômetros a frente e já estávamos em Mangaratiba, passando pela famosa praia de Itacuruçá e subindo a primeira grande subida (219m) da viagem, onde encararíamos um perigosa travessia através de um túnel escuro e apertado de mais de 500m de extensão, que nos levaria até o distrito de Muriqui.



A Rio-Santos certamente é uma belíssima estrada, mas é sempre bom planejar bem sua viagem e estar preparado para alguma eventualidade. Esteja visível no trânsito e sinalize com os braços sempre.


Certamente o trecho mais perigoso da viagem, mas que conseguimos sair bem e seguir em frente. Aliás, descer em frente, porque após uma grande subida, apenas seguramos o guidão e fomos controlando o freio pela grande descida que tínhamos em frente.


E assim chegamos na lindíssima Praia Grande.



Atravessada por uma linha férrea, como boa parte das praias de Mangaratiba, a praia é bem extensa e costuma ficar bem vazia fora de temporada. Excelente para descansar com muita tranquilidade!





O trem passa de tempos em tempos por ali, sempre com um aviso sonoro antecedente. Geralmente estão carregados com centenas de vagões de minério, portanto, se estiver com pressa, é melhor atravessar logo o trilho nos primeiros apitos de longe, do contrário, você vai ter que esperar um bom tempo até o trem passar.


Aliás, uma boa notícia: Parece que a Prefeitura de Mangaratiba está com um projeto transformar essa linha de trem em um atrativo turístico, através do Projeto Trem dos Mares. Seria lindo ver isso saindo do papel, pois a região é realmente riquíssima em belezas naturais.



E assim finalizamos nossa cicloviagem, com um pouco de cansaço, é verdade, mas felizes por uma experiência tão gratificante.

12 comentários:

  1. Maravilha, em fev/13 irei de sp para o rj pela rio-santos e estou estudando o caminho...a dica do túnel de Muriqui e o "aperto" da estrada ajudaram bastante. Valeu, abçs.
    Neto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antonio, obrigado pelo comentário!

      Então, há a possibilidade de "burlar" esse túnel, passando por dentro de Itacuruçá até Muriqui pela linha férrea. As praias da região são circundadas de uma ferrovia, então há a possibilidade de cruzá-las de um ponto ao outro.

      Não dá pra pedalar, mas o trajeto é lindo, você passará por diversas prainhas desertas. Vale a pena dar uma olhada no Google Maps + Panoramio da região.

      Boa viagem, qualquer coisa conte comigo!

      Excluir
  2. PREZADOS AMIGOS ESTIVE LENDO SUA VIAGEM A UBATUBA...ESTOU COMEÇANDO NO CICLOTURISMO..E UMA DELAS QUE DESJO FAZER E PETROPOLIS A UBATUBA..VCS CHEGARAM A FAZER ESSE ROTEIRO POR ESCRITO, COM PLANEJAMENTO.. PARA QUE POSSAM ME AJUDAR...AGRADECIDO DUPEDAL...www.luclacer2008@yahoo.com obrigado..

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. olá td bem? estou querendo fazer o trajeto zona sul>barra>guaratiba>sta. cruz>itaguaí>muriqui>mangaratiba perto do reveillon.

    Então queria saber de vcs se no trajeto de vcs até mangaratiba, houve mt parte sem asfalto, e se vcs sabem se nesse trajeto que citei teriampartes não asfaltadas. Foi tranquilo fazer as subidas da rio santos com as marchas de uma dobrável? Tb tenho uma mas não penso em fazer meu trajeto com ela, pq não acho q seria mt confortável/pratico...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sarah!

      Muita bacana seu roteiro. Só indico atenção redobrada ao trânsito por conta do período de fim de ano.

      Sobre Guaratiba, aliás, tem 3: Guaratiba, Pedra de Guaratiba e Barra de Guaratiba. Apesar de próximos, eles não tem muito a ver entre si e nem ligação direta. Saindo do Recreio, ou você cruza o túnel (proibido) ou segue pela antiga serra, até chegar em Guaratiba propriamente dito, seguindo pela ciclovia zoada da Av. das Américas até Santa Cruz. Ainda do Recreio, talvez valha a pena seguir pelo Grumari e de lá ir em direção à praia de Barra de Guaratiba, mas tenha consciência de que isso é um "desvio" no caminho, já que será necessário voltar tudo.

      Todo o trajeto é asfaltado, apesar da qualidade variar ao longo do caminho. Se você pegar a Rio-Santos a partir de Santa Cruz, é uma maravilha! Mas se preferir ir por dentro de Santa Cruz e Itaguaí, as ruas são bem precárias, com alguma quantidade de areia e bastante movimento de caminhões, por conta das empresas e portos instalados na região.

      Você vai notar esse movimento de caminhões até certa altura da Rio-Santos em Itaguaí, mas depois para. Da primeira placa de Itacuruçá em diante, é só subida. Você pode optar por subí-las ou cruzar o caminho "por dentro", até chegar em Muriqui, sem passar pela Rio-Santos. É um caminho interessante, apesar das ruas de paralelepípedo. O caminho também não é muito óbvio e é necessário perguntar as direções aos moradores. Eu mesmo já me perdi um pouco, então sempre optava por seguir carregando a bicicleta pelos trilhos do trem. Não é perigoso, todo mundo faz, e o caminho até Muriqui é bem legal, até Praia Grande dá prazer. Mas toma tempo.

      As placas indicando Mangaratiba estão sempre presentes na Rio-Santos e é impossível se perder. A serrinha não é tão difícil - aliás, as subidas em todo esse trecho da Rio-Santos, de Itaguaí a Angra, são ótimas, mesmo com a minha dobrável, QUE NÃO TEM MARCHAS.

      Discordando um pouco de você, eu acho que fazer essa pedalada de dobrável é muito prática, sim. Quaquer problema, é só dobrar a bicicleta e pegar um ônibus. Aliás, isso ajuda bastante a atravessar o túnel de forma legalizada, não? ;)

      O conforto só vai depender dos ajustes e da qualidade do seu selim. Se eu consegui ir pedalando do Rio a Ubatuba com minha dobrável aro 20 sem marchas, você também consegue chegar até Mangaratiba e além com qualquer bicicleta.

      Boa viagem e boa sorte!

      Excluir
  5. Bom dia!!Parabéns pela experiência onde o contato com a natureza é nitidamente maravilhoso!!Estou me programando para fazer o mesmo trajeto e com essas informações me ajudaram muito!!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia!!Parabéns pela experiência onde o contato com a natureza é nitidamente maravilhoso!!Estou me programando para fazer o mesmo trajeto e com essas informações me ajudaram muito!!

    ResponderExcluir
  7. Bom dia!!Parabéns pela experiência onde o contato com a natureza é nitidamente maravilhoso!!Estou me programando para fazer o mesmo trajeto e com essas informações me ajudaram muito!!

    ResponderExcluir
  8. Muito bom! Obrigado pelas dicas!!! Vou fazer um roteiro laparj/mangaratiba/ilhagrande. Ir na sexta atravessar com as bikes, cair em algum camping e voltar no domingo.
    A minha dúvida é sobre o melhor caminho. Posso ir pela av brasil ou pela barra ou pela dutra!? Pode me ajudar? P.s.: Você mandou muito bem fazendo esse pedal com uma dobrável sem marchas pqp! Abs e obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Toni,

      As três opções saindo do Rio são ruins: Na Av. Brasil e Dutra o trânsito é péssimo e alguns trechos são mal pavimentados, e pela Barra você vai ter que subir a serra já que a travessia pelo túnel é proibida.

      É realmente necessário fazer esse trecho de bicicleta? Minha dica seria pegar um trem na Central até Santa Cruz com a bike e de lá começar a pedalar. Você economiza uns 60km nessa brincadeira e pega trechos bem mais interessantes na estrada!

      Boa viagem e boa sorte!

      Excluir
  9. Putz Wendell, que dica ótima! Vou fazer isso mesmo. A questão é que estamos querendo sair na sexta às 4h da matina e a SuperVia só libera embarque de bike depois das 21h da noite em dias úteis. Enfim, vamos tentar ir lá e conversar se eles liberam esse acesso. No mais, valeu muito pela dica! Abraços e obrigado

    ResponderExcluir

Comente, sugira, critique!