Páginas

sábado, 5 de maio de 2012

Nas lagoas artificiais de Seropédica

Não sei quanto a você, mas se tem uma coisa que eu sempre gostei é de mapas.

Aliás, um dos meus passatempos preferidos é entrar no Google Maps e ficar fuçando através da visão de satélite que ele proporciona.

E num belo dia, eu estava olhando por cima o município de Seropédica e me deparei com uma estranha visão:
 

A primeira vista cheguei a pensar que tratava-se de piscinas. Mas logo me desfiz da ideia, afinal, os formatos são muito recortados e irregulares. Um parque aquático? Difícil... não há nada a respeito na internet.

Resolvi então selecionar a opção "Visualizar fotos" do Google Maps e me deparei com um interessante serviço, o Panoramio. Basicamente, é um site onde você compartilha suas fotos e as mapeia, atrelando-as de acordo com coordenadas geográficas do lugar em que você fotografou. E assim, percebi através de algumas fotos tiradas no local que ali se tratava de conglomerado de areais, alguns inclusive em situação irregular.

As tais lagoas eram formadas artificialmente, não pela água da chuva, mas sim pela água do subsolo, que emergia a partir da extração de areia ali realizada.

Parece bonito, mas é pura degradação ambiental. Fonte

Para piorar a situação, a água dali não surge ao acaso. Os areais - e mais recentemente, até mesmo um aterro sanitário - estão localizados bem em cima do Aquífero Piranema, uma das maiores reservas naturais de água do Estado do Rio de Janeiro.

Decididos a conhecer de perto esse verdadeiro exemplo de degradação ambiental, eu e o Pedro, meu personal-Sancho-Panza, pegamos nossas bicicletas e pedalamos rumo aos lagos artificiais de Seropédica.

O percurso teve aproximadamente 50km de distância (ida-e-volta), saindo do bairro de Campo Grande (RJ) e atravessando uma pequena porção do município de Nova Iguaçu, até cruzar a ponte sobre o Rio Guandu e de fato chegar até Seropédica.

Estação de Tratamento de Água do Rio Guandu, considerada a maior do mundo
Ponte sobre o Rio Guandu, divisa entre os municípios de Nova Iguaçu e Seropédica

Welcome to Seropédica

Gostar de mapas é gostar de fronteiras, divisas e limites. Nada melhor do que a sensação de estar cruzando um novo lugar, rumo a novas direções...

O caminho foi bem tranquilo, apesar do excesso de areia no acostamento, que vez ou outra obrigava-nos a pedalar na pista. O trajeto é muito plano, tão plano que em alguns momentos o esforço por movimento repetitivo pode dar sinais pelo corpo. Nessas horas, hidratar-se bem e comer alguma fruta sempre ajuda.

Assim que se chega a Seropédica, o trânsito adquire um novo status. É bom ficar atento, pois devido a proximidade com a Dutra e o Porto de Itaguaí, há um tráfego intenso de veículos pesados a partir da entrada da Estrada Piranema. Antes de entrarmos nessa perigosa estrada que nos levaria às lagoas artificiais, resolvemos seguir um pouco em frente pela bonita Estrada Rio-São Paulo, que um dia chegou a ser a principal rota de ligação entre as duas metrópoles.

Beirando a estrada, uma ciclovia esburacada e uma bela paisagem
As árvores acompanham-nos em boa parte do trajeto

Pedalando por mais alguns minutos, logo chegamos na Universidade Federal Rural do Estado do Rio de Janeiro (UFRRJ), que possui o maior campus da América Latina. Nossa parada foi estratégica, pois precisávamos recarregar nossas garrafinhas com água.


Antes de tornar-se uma Universidade, o local pertencia a uma indústria têxtil, famosa por sua produção de seda. Aliás, a origem do nome do município vem da palavra "seda".


Como já imaginávamos, a "Rural" é um mundo. Para não nos perdemos, logo voltamos à estrada rumo ao nosso destino principal: as lagoas dos areais.

E assim, voltando alguns quilômetros, entramos na perigosa Reta de Piranema. Pista muito apertada, com caminhões indo e vindo, com acostamento inexistente. Foi difícil, mas para nossa sorte a entrada do primeiro areal encontrava-se já no segundo quilômetro.

Como pudemos verificar depois, boa parte das extrações de areia por ali são de fato ilegais. Mesmo assim, arriscamos entrar pedalando no local, apesar dos olhares de alguns funcionários que estavam por lá.


A beleza das lagoas são perigosas. Infelizmente, mortes por afogamento ainda são bem comuns ali. Seduzidos pelo azul cristalino das águas - que não é de limpeza, mas sim produzido pelo alto teor de contaminação por Sulfato de Alumínio -, muitos visitantes mergulham nas lagoas sem se dar conta de que muitas delas são bem profundas, com uma média de 28 metros de profundidade, além da lama pegajosa existente em seu interior.

Tão linda e tão perigosa

Pausa para o descanso das bicicletas

Quanto mais pedalávamos, mais adentrávamos nos interiores dos areais e íamos vendo de perto a exploração. Lagoas grandes, lagoas pequenas, algumas bem cheias, outras vazias, com suas cores características.


Confesso, a sensação de estar ali é estranha. Em primeiro lugar, é difícil conseguir entender como o poder público não se manifestou quando a área foi apropriada pelas indústrias de extração de areia e tal atividade não foi inspecionada.

Pior ainda é quando lembramos que o já mencionado Aquífero de Piranema localiza-se exatamente ali.

Mas nada supera o fato de saber que o mais novo aterro sanitário do Rio de Janeiro (já que o de Gramacho teve de  ser fechado após emporcalhar a Baía de Guanabara) localiza-se nas mesmas intermediações dos areais, com um risco iminente de contaminação do lençol freático.

Ah, o Brasil... vivendo e desaprendendo!

26 comentários:

  1. Uma tristeza junto a indignação, pelo pouco caso, que o poder público tem com Seropédica.

    ResponderExcluir
  2. Nasci no estado do Rio de Janeiro, mesmo estando morando fora do estado; continuo amando essa terra e indignada com a conivência na degradação ecológica em alguns município, como o de Seropédica.

    ResponderExcluir
  3. puxa não sabia disso sou de santa catarina, viajei a seropédica, no fim do ano passado, gostei da cidade, da UFRRJ, é muito triste saber que isso está acontecendo, além dos areais, aterro sanitário?? qu e pena...

    ResponderExcluir
  4. Hoje passei de avião por cima vindo do Sul do Brasil via Sp. Vi as lagoas são imensas. Fiquei curioso pesquesei e cheguei até aqui. Parabéns pelo blog. Fico triste com o descaso do poder publico

    ResponderExcluir
  5. Os governantes não estão nem aí para esse crime ambiental. E também tem o caso do aterro sanitário ser em cima do Aquífero piranema.

    ResponderExcluir
  6. Oi ... tmb moro em CG e fiquei sabendo dessas lagoas a pouco tempo, só uma pergunta, tirando o perigo da profundidade (sei nadar e sou mergulhador credenciado pela Federação) da pra tomar banho lá ou não ??
    Estou muito afim de conhecer e fazer umas fotos do local (tmb sou fotógrafo), e claro que a paisagem convida a cair na agua. vi uns videos no Youtube de pessoas nadando por la e tal ... mas teu post é sério então vc é a pessoa mais certa pra eu fazer essa pergunta.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beto, eu tomaria cuidado com as lagoas de qualquer jeito. O fundo dela( até nos pontos mais rasos) tem grande quantidade de "lodo" e lama bem grudenta. Acho que esse é também um motivo pras mortes.

      Excluir
    2. Um grande perigo é a baixa densidade da água que seu corpo pode simplesmente afundar e vc ficar grudado no fundo, além de ser prejudicial a saúde por conter excesso de ferro e alumínio.

      Excluir
    3. Prezado (s), o que causa mortes nas lagoas de Seropédica não é a profundidade e sim os inúmeros vergalhões das caixas de areia que estão submersos e a lama no fundo da lagoa. Quando o pessoal pula fica agarrado e não consegue sair.
      Ass. Alcântara

      Excluir
  7. E aí, conterrâneo, tudo bem?

    Então, dando uma rápida pesquisada no Google aqui, vi que o material encontrado na lagoa (sulfato de alumínio) pode causar "irritação nos olhos, nariz e garganta. Em contato com a pele pode causar coceira ou prurido, ressecamento e dermatites leves."

    Mas, convenhamos, isso não é nada do que um mergulho em uma praia não recomendada para banho também não possa causar. Quanta gente não mergulha em Copacabana e Ipanema em um dia não recomendável pra banho e não morre, não é mesmo? Então, tendo bom senso, tomando medidas preventivas básicas e sabendo nadar tão bem quanto você diz, acho que não tem problema nenhum, não.

    Grande abraço, boa sorte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tomei muito banho nas lagoas do canto do sabão, já vi gente morta sendo retirada pelo bombeiro, enfim,
      era um ciclo > morria um ou dois > dava-se uma pausa nos banhos > aos poucos a galera voltava > morria outro > pausa....

      Já tive essa tal irritação e pano branco, por isso parei de ir.
      No calor, realmente, parecia praia.

      Excluir
    2. Em 2004 perdi um grande amigo afogado em uma dessas lagoas azuis...não recomendo o banho nem natação no local.

      Excluir
    3. Prezado (s), o que causa mortes nas lagoas de Seropédica não é a profundidade e sim os inúmeros vergalhões das caixas de areia que estão submersos e a lama no fundo da lagoa. Quando o pessoal pula fica agarrado e não consegue sair.

      Excluir
  8. Achei super bacana a sua Pesquisa ... Considero o seu ato uma pesquisa de campo maravilhosa !!! Parabéns !! Se vc quiser ampliar é só fazer uma visita a Tinguá (Nova Iguaçu) que vc também encontrará outras lagoas como essa e o que é pior virando ponto turístico.

    ResponderExcluir
  9. A placa ta ali não é por acaso, já teve muita morte aí. E acredito que nem todos que morrermorreramam, foi peli fato de que não soubessem nadar, mas por se tratar de uma área de extração de areia. Além de muito funda, certamente deve ter lugares infalsos. Além disso, fiquei sabendo que muitos morrem, porque afundam e ficam presos em barril, madeira, etc. Ou acham que uma indústria clandestina vai se preocupar em tirar os restos da "obra"? Então, tomem cuidado! São lindas? Sim, mas muito perigosas por N motivos. Obs: não sou moradora, mas uma conhecida que mora próximo, estava nos alertando. E belíssima pesquisa, muito informativa!!

    ResponderExcluir
  10. Vi as lagoas pelo avião e fiquei curiosa pra saber o que eram...Localizei no Google maps mas só aqui consegui saber o q eram! Parabéns pela pesquisa!

    ResponderExcluir
  11. sou morador da cidade e realmente sao muito fundas essas lagoas, mas muito bonitas com arvores em volta e muitos peixes. Mas existe outras poluidas.

    ResponderExcluir
  12. Parabéns! Sempre tive curiosidade de saber. Abs.

    ResponderExcluir
  13. Infelizmente é a pura realidade e ninguém faz nada. Sou de Seropédica e uma vez mandei um e-mail para o Grupo Greenpeace e não estão nem ai. Infelizmente as pessoas são imediatistas e quem está no poder e nas instituições que deveriam fiscalizar só pensam nos ganhos políticos e financeiros. O pior, esta água que é de excelente qualidade vinda do AQUÍFERO PIRANEMA esta evaporando do subsolo e um dia vai fazer muita falta para sociedade. Mas quem vai sustentar com areia o desenvolvimento da BARRA DA TIJUCA e a CIDADE DO RIO DE JANEIRO? Quem vai fornecer AREIA PARA AS OBRAS DO PAC, DA COPA E DAS OLIMPÍADAS? Quem vai receber o LIXO da CIDADE DO RIO DE JANEIRO? Seropédica é claro.
    Enquanto isso nossos políticos estão “deitado eternamente em berço esplêndido,
    ao som do mar e à luz do céu profundo” e nada veem.

    Ass. Alcântara

    ResponderExcluir
  14. Até onde sei, existem sim areais clandestinos, mas a maioria dos casos é de empresas licenciadas e fiscalizadas por órgãos como INEA, DNPM, IBAMA e pela própria prefeitura municipal. Se bem que acho que a prefeitura quer mesmo é morder uma grana... Mas com relação a prática extrativista de areia, digo que ela é uma atividade de extração como outra qualquer. Prata, Ferro, Ouro, Água mineral, Areia, etc., se consegue apenas extraindo. Fazer o que ?! Conheço muitos geólogos e muitas empresas de controle ambiental que estão fazendo um ótimo trabalho de revitalização do "valão dos bois" que é o rio que corta a região de extração, bem como a recuperação de áreas degradadas. Vale ressaltar que você só tem autorização para lavrar, ou extrair areia, se você for responsável pelo que se chama de "passivo ambiental", que nada mais é do que recuperar uma área ainda maior do que aquela que você destrói. Valeu... Abração e parabéns pelo Blog.

    ResponderExcluir
  15. Sobre o aterro sanitário do RJ, em Seropédica, ser uma alternativa a Gramacho: aconselho rever (e conhecer mais de perto).

    ResponderExcluir
  16. Cara .. achei massa seu blog... eu hj vindo da bahia de aviao vi tres lagoas perto de uma estrada, provavel na baixada quando ia pro galeao... vc conhece mais lagoas azuis no rio de janeiro? Parabens pelo post completo

    ResponderExcluir
  17. poo,parabéns pelo blog...espetacular!

    ResponderExcluir
  18. poo,parabéns pelo blog...espetacular!

    ResponderExcluir
  19. muito bom! tinha curiosidade em saber do que se tratava esses imensos azuis, além de ter respondido, foi com um texto que nos coloca junto de vc, como se estivéssemos andando de bicicleta com vc!! parabéns!!!

    ResponderExcluir
  20. Hoje eu fui em um passeio em um sítio em Seropédica, que no final do sítio tinha uma dessas lagoas, logo imaginei que aquele azul não seria natural, é uma pena mas depois que li no seu blog as informações e as mortes fiquei assustada e ao mesmo tempo indignação com a falta de atenção do poder público, joga está matéria no face. Não podemos nos confirmar , pelo que eu entendi o aterro sanitário está acabando com algo que era natural dessa região, uma nascente!
    Basta de injustiça a natural precisa ser respeitada!!!!!😠😠😠😠😠😠😠😠😠

    ResponderExcluir

Comente, sugira, critique!